28.7.06

Segredo

- Vou ao supermercado.
- Ah... Preciso ir também. Posso passar lá com você?
- Claro.
- Então, como a gente ia falando, trabalho de segunda a sábado, não tenho vontade de sair de bicicleta no fim de semana.
- Imagino... Fazer nada aos domingos é muito bom. Eu também não tenho saído, ando cansada de muita gente junta.
- Divirto-me mesmo é com futebol, fico até tarde assistindo aos jogos. Tenho vergonha de falar isso... Você não entende, não é?
- Há gosto para tudo! Mulher perde seu tempo fazendo as unhas, então estamos quites!

Silêncio por quinze segundos. Depois não pararam mais de conversar, até saírem do supermercado. Dali, tomariam rumos diferentes. Mas tudo bem, no dia seguinte haveria outra oportunidade para revelar seu segredo.

23.7.06

Matrix

Quem disse que o mundo dos sonhos é menos real do que este que nós chamamos de "real"? As histórias deste blog nascem dessa mesma pergunta, que roubei do filme Matrix, com a ajuda de uma ilustre fã da trilogia: minha prima Francisca.

Graças a essa reflexão, comecei a me interessar por histórias que viram sonhos que viram histórias. Minha pausa aqui, neste mundo real, é para frisar estas duas concepções de sonho:

Para o psicanalista austríaco Sigmund Freud (1856-1939), o sonho é uma atividade psíquica e demonstra que desejos não realizados na vida real se concretizam na fantasia. "Quem não se lembra de seus sonhos tem seus desejos reprimidos até no insconsciente".

Para o psicanalista suíço Carl Gustav Jung (1875-1961), os sonhos são um produto da psique. Assim como a mente produz o pensamento quando estamos acordados, enquanto dormimos a psique libera o insconsciente para a criação onírica. "Quem se lembra dos sonhos dificilmente fica neurótico".

18.7.06

Bagunça

"Tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim...". Foi isso que ela se disse em frente ao espelho, numa tentativa de auto-acolhimento, depois de chorar horas e horas em cima da cama. Chorava porque havia se perdido em seus sonhos e leituras, e acordara tarde demais para ir ao dentista. Também já estava atrasada para a aula de Filosofia. Culpou a todos os parentes pela desorganização da casa, que seria a fonte de toda essa confusão. Não havia percebido que o lugar onde dormia era exatamente a projeção da sua mente bagunçada.

16.7.06

A primeira girafa da China

Fiquei pensando por que as girafas são tão fascinantes para mim. Veja só, encontrei isto e acho que faz sentido:

"Desconhecida fora do continente africano, a girafa despertava de tal modo a curiosidade que era enviada para outros países como presente diplomático. Uma das primeiras referências narra sobre um presente do Sultão de Malindi (costa do Quênia) ao imperador chinês Yongle, da Dinastia Ming (1368-1644).

Yong-le, também chamado de Yung-lo, foi um governante expansionista entre 1403 a 1424 que soube usar o poder naval durante a Dinastia Ming – considerada a mais estável e próspera de todas.

No início do século XV, a serviço dele, o almirante eunuco Zheng He empreendeu sete expedições marítimas que o levaram entre o porto chinês de Nanquim a outros portos distantes.

Foi a sua quarta expedição que trouxe à China a primeira girafa — presente do sultão de Malindi ao imperador chinês. Toda corte se reúne em uma das portas de Beijing, num dia de verão, de 1415, para admirar o majestoso andar e o ritmo dos movimentos da girafa.

Na China, zhi lin ou qilin é um animal mítico considerado sinal de boa sorte e felicidade, tem cabeça de dragão, corpo de veado, pescoço de cachorro, pernas de cavalo e rabo de vaca. Simboliza benevolência do imperador e aparece quando este reina com prosperidade e ascendência.

A primeira girafa que chegou à China foi considerada um presente muito auspicioso, pois chamada na língua da antiga Somaliland (atual norte da Somália) de girin - também uma antiga expressão utilizada na China "chi'i-lin" (uma espécie de unicórnio), assim como uma cidade do leste do país: jilin), imediatamente, foi nomeada pelos chineses de qilin.

Logo ela virou emblema de paz, harmonia e virtude, tornando-se o animal mítico da felicidade. Ela se juntou com outras criaturas exóticas no zoológico particular do imperador: a Floresta Proibida."

Coisas que me inspiram













Ontem sonhei
com girafas
elegantes e
aparentemente
tranqüilas.

9.7.06

Vermeer


Você estava em meu sonho, lá em Delft, onde nasceu Johannes Vermeer. No seu laboratório de ilusões, não via nada além daquela luz artificial à sua frente. Perdia o espetáculo do raio de sol que invadia o quarto, tamanho era seu interesse pelo mundo virtual. Nada podia tocá-lo, nem mesmo a mão quente e suplicante da moça com brincos de pérola.