1.11.07

Clara reflete sobre a amizade

Clara resolveu “encarar” a excursão da faculdade, cujo destino seria um albergue de moças no interior do Estado. Era uma região explorada pelo esporte de aventura. Apesar de odiar tudo que fosse segmentado - "moças", "moços", “esportistas de aventura” etc. -, Clara achava que essa seria uma boa oportunidade para ficar longe de casa.

Porém, o que deveria ser um fim de semana divertido, transformou-se em mais uma missão impossível para Clara – parar de pensar em coisas sérias. Seu esforço começou desde o ônibus da excursão, quando suas colegas entraram em um estado de excitação coletiva. Tudo porque conheceriam meninos novos na festa da Congregação de Albergues.

Clara não estava preocupada com meninos novos. Se encontrasse alguém esquisito como ela, ótimo. Mas seu principal objetivo e, teoricamente, sua fonte de paz interior, seria ficar longe de casa. Era o bastante.

Já nos quartos do albergue, as meninas disputaram o melhor colchão. Depois começaram a arrumar suas roupas e apetrechos nos armários. Clara queria dividir esse momento com alguém, mas todas estavam tão preocupadas com os meninos, que nem pensavam nos detalhes mais singelos. Quem ficaria próximo de quem, para dividir confidências à noite? Quem, como ela, teria um caderninho para anotar as curiosidades sobre o local? Pelo visto, ninguém.

Frustrada, Clara manteve sua mochila fechada, no canto do quarto. Suspirou e saiu do albergue para observar a vizinhança. Com os olhos voltados para os morros na linha do horizonte, descansou a vista e tentou esquecer esses malditos detalhes, que não fariam muita diferença em uma excursão de universitárias solteiras.

De volta ao albergue, as meninas haviam juntado todos os xampus e sabonetes no banheiro. Clara começou a procurar seu xampu entre as dezenas de frascos. Uma colega percebeu sua agitação e disse: “Clara, sua mochila estava fechada, então não mexemos em suas coisas. Está tudo lá”.

Naquele momento, Clara percebeu que não havia criado a mínima oportunidade para ser acolhida pelo grupo. Havia se traído mais uma vez. Precisava parar de pensar.