2.11.08

Silêncio

Clara estava chateada com o rumo das coisas. Era como se todas as pessoas com quem convivia estivessem escorrendo entre os seus dedos, como um bolo molhado de areia. Resolveu então viajar para o sítio, mesmo sabendo que isso não mudaria nada. Lá havia uma lagoa cor de guaraná, onde Clara costumava mergulhar para ficar em silêncio. A tarde de sol deixava a água bem iluminada. Dava até para ver os peixes, que se aproximaram quando ela chegou, como se pedissem atenção. Clara estendeu a mão dentro d'água para atrair os peixinhos. E foi então que se deu conta de que não estava só.

Um comentário:

Anônimo disse...

Clara, o silêncio e o isolamento fazem com que todos escorram por entre seus dedos...estamos todos aqui Clara...Alegria!!!