20.2.09

Leitor insone

Segundo o escritor irlandês James Joyce, o "leitor ideal" é aquele que sofre de uma "insônia ideal". Mais tarde, o italiano Umberto Eco completou: o leitor ideal, ou "leitor-modelo", é aquele que o autor tem em mente quando escreve. Tudo isso para dizer que o leitor é o personagem principal desta nossa coluna.

Vale mais esta explicação: amamos leitores que trocam o sono por uma boa leitura, ou que fazem do sonho sua forma de ler o mundo. Porém, não buscamos aqui o "leitor ideal", que interpreta tudo exatamente como o autor planeja. Os próprios escritores sabem que o leitor é um bichinho cheio de personalidade, faz o que quer e bem entende do texto. Bom, não? Afinal, que monótono seria se todo mundo pensasse igual!

Então vamos falar aqui de outra espécie de leitor, apresentado por Eco como o "leitor-empírico". Explica ele, em seu livro Seis passeios pelos bosques da ficção, que "os leitores empíricos podem ler de várias formas, e não existe lei que determine como devem ler, porque em geral utilizam o texto como um receptáculo de suas próprias paixões..."

Entendeu?

  • Se não, mande um comentário que a gente continua falando sobre esse assunto.
  • Se sim, siga em frente com nossas histórias de leitores insones, apaixonados, fabulosos!

3 comentários:

Adri USP disse...

Claro que eu quero que vc continue falando desse assunto, sou uma leitora insone, incessante, incauta, incabal, inaudita, incaptável etc. Agora chega, cansei de procurar todas essas palavras no dicionário e vamos ao que interessa, falar de livro, rs.

3 x Trinta - Solteira, Casada, Divorciada disse...

Já ouviu falar dos tipos de leitores apontados pela Lúcia Santaella? Estou usando no mestrado. Dá uma olhada no livro "Navegar no Ciberespaço". Vc vai gostar.

Beijão,

Bela

Paula disse...

Engraçado falar neste assunto porque quase sempre quando estou lendo algo, penso nas várias possibilidades de interpretação que o tema e a explicação que lhe é dada pode suscitar. Penso também na difícil arte de nos comunicar e nos fazer entender. Nem sempre somos entendidos como gostaríamos e vice-versa. Acho que por mais objetivo que seja um "texto", é impossível não sermos "leitores empíricos".