29.8.09

O tempo pára, sim!

Clara entedia-se facilmente. É que o tempo parece parar de vez em quando, já percebeu? E então se abre uma grande oportunidade para pensar em coisas que levam a lugar algum. Coisas que deveriam permanecer escondidas no fundo de uma caixa preta. Nessas horas que não passam, a vontade de Clara é dormir, e só acordar quando o tempo resolver andar de novo.

11.8.09

Meu partido é um coração partido

Descobri tarde que o melhor título para o post anterior seria o deste post. Pois Cazuza traduz tudo isso:

Meu partido
É um coração partido
E as ilusões
Estão todas perdidas
Os meus sonhos
Foram todos vendidos
Tão barato
Que eu nem acredito
Ah! eu nem acredito...

Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Ideologia!
Eu quero uma prá viver
Ideologia!
Eu quero uma prá viver...

Pois aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Agora assiste a tudo
Em cima do muro
Em cima do muro...

10.8.09

A literatura e a construção das mentalidades

De manhã, enquanto esperava o trem, pensava sobre o fim das ideologias. Desafio: quem aqui defende verdades definitivas? Quem só vê o mundo com os óculos de Descartes? Ou de Marx? Ou Diogo Mainardi? E comecei a questionar por que não acredito mais em partidos políticos...

Como a gente faz uns links esquisitos quando pensa! Passou-me pela cabeça a jornalista e ex-vereadora Soninha, figura que me inspira confiança, pela sua história de vida... E que não é mais do PT, tampouco do PSDB. Na home do seu site, nem o nome do seu partido aparece. Tem estrelinhas vermelhas lá... Saudades do PT? Hum... Depois de fuçar, escarafunchar, só fui achar no seu blog a primeira citação ao PPS. E comecei a crer que talvez eu não esteja sozinha com esta dúvida: que partido tomar na vida?