10.7.10

Superinteressante: o livro colaborativo de Bob

Acabo de abrir a Superinteressante de julho na página 41, e o que me aparece? Uma entrevista com Bob Stein, presidente do Instituto para o Futuro do Livro (EUA).

Aprovo sua ideia, de que o livro poderá virar uma espécie de fórum. Nesse modelo, cabe ao “autor” lançar tópicos, que serão discutidos pelos leitores para a criação da obra, de forma colaborativa.

Ok, já temos a Wikipedia. Mas vale conferir por que, para Bob, a escrita e a leitura não são atividades solitárias:

. “Ler e escrever sempre foram atividades sociais. O costume de ler livros em voz alta durou até meados do século 19.”

. “O livro existe para difundir ideias, para que possamos falar delas. Mas hoje lemos um livro e conversamos depois, quando nos encontramos com outras pessoas. Com o livro digital, as duas etapas vão acontecer ao mesmo tempo. A conversa vai passar para as próprias páginas do livro.”

. “(...) posso lançar uma pergunta a amigos como ‘Quero ler esse livro – quem quer ler comigo no fim de semana?’”

. “As anotações que eu fizer em uma página ficarão visíveis para todos.”

. “Alguns autores vão querer fazer um texto completo e colocá-lo em debate. Outros colocarão rascunhos que serão trabalhados pelos leitores.”

. “As pessoas vão assinar um livro, e não comprar. Serão assinantes da obra pelo tempo que quiserem – quando perderem o interesse na discussão, param de pagar."

. "Ele [o autor] seguirá editando o material por semanas ou anos. Vai se envolver com os leitores, e não com o assunto em si. No dia em que o assunto deixar de lhe interessar, ele deixará de receber. Ou talvez o livro se torne público. E as editoras terão a capacidade de construir comunidades vibrantes em torno dos livros.”

Vontade de escrever Clara Pálida assim.

2 comentários:

Liuba disse...

Hum... Eu gosto de ler justamente pq pra mim é um passatempo solitário. E gosto mais ainda de ter o objeto livro nas mãos, leio ebook muito raramente e fico vendo luzes piscantes durantes horas depois disso, não trocaria meu livro de papel por nada! A interação é interessante (rs), mas acho que os fóruns e afins já fazem esse trabalho, se é que entendi a ideia de Stein corretamente... O.o

Guido disse...

To com insônia e encontrei este blog por acaso. Então to comentando aqui... concordo com o comentário aí da garota, eu tão pouco trocaria meu livro de papel por uma discussão na net... jamás, jamás e espero que esse não seja o futuro dos livros msm, do contrário vou ficar triste.

é isso =D