4.8.12

Vidas Secas: releitura


Palavras perfeitamente colocadas em seus devidos lugares - eis uma tarefa para poucos gênios. Refiro-me a Graciliano Ramos em "Vidas Secas". Basta reler um trecho do livro - este, por exemplo, sobre o personagem Fabiano:

"- Fabiano, você é um homem, exclamou em voz alta.
Conteve-se, notou que os meninos estavam perto, com certeza iam admirar-se ouvindo-o falar só. E, pensando bem, ele não era homem: era apenas um cabra ocupado em guardar coisas dos outros. Vermelho, queimado, tinha os olhos azuis, a barba e os cabelos ruivos; mas como vivia em terra alheia, cuidava de animais alheios, descobria-se, encolhia-se na presença dos brancos e julgava-se cabra.
Olhou em torno, com receio de que, fora os meninos, alguém tivesse percebido a frase imprudente. Corrigiu-a, murmurando: - Você é um bicho, Fabiano.
Isto para ele era motivo de orgulho. Sim senhor, um bicho, capaz de vencer dificuldades."

...

Fabiano está para a literatura brasileira assim como Dom Quixote está para a espanhola.

Ufa, meus heróis não morreram.